Iliada Homero

RESENHA | ILÍADA – HOMERO

Resenha Ilíada de Homero Editora Penguin Companhia

“Ilíada” se inicia no 9ª ano da guerra de Tróia, com a desavença entre Aquiles (o maior e melhor guerreiro do exército dos gregos), e Agamemnon (o chefe de todos o exércitos gregos). Ambos lutavam pela conquista de Ílion, cidade troiana, e pela honra de Menelau (irmão de Agamemnon e rei de Esparta) que teve sua esposa (Helena) raptada por Páris (filho do rei de Tróia). Segundo a lenda, Páris raptou Helena com a ajuda da deusa Afrodite – que havia prometido a ele a mulher mais bonita do mundo – levando-a para Tróia. 

Por 10 anos gregos e troianos lutaram em busca de sua honra. De um lado, os gregos em prol da honra roubada, e claro, muitos interesses políticos. E do outro, troianos lutavam pela honra de defender sua cidade e não deixar suas esposas e filhos virarem espólio de guerra na mão dos gregos.

O desentendimento entre Aquiles e Agamemnon resulta na retirada de Aquiles e seu exército da luta contra troianos, deixando assim o exército grego bem desfalcado, pois Aquiles foi desonrado por Agamemnon, um homem que estava do lado dele na guerra. Tétis, mãe de Aquiles vai até o Olimpo implorar para que Zeus (o Deus soberano) interfira e não deixe seu filho desonrado. A deusa pede para que os gregos percam nas batalhas e sintam falta do grande guerreiro e dessa forma, implorar para que ele volte e os gregos tenham chances nas batalhas. O desejo dela é atendido, o que causa grande rebuliço entre os Deuses pois cada um tem seu lado na guerra mais famosa da história. 

Esse poema épico escrito a mais de 700 a.C. vai ser um show de entretenimento à você leitor. Não se engane pensando que é uma leitura difícil ou desagradável, muito pelo contrário. Realmente é um tanto quanto longa, com vários cantos sobre a cólera de Aquiles e as interferências dos deuses do Olimpo, mas com certeza é uma leitura rica, prazerosa e cheia de batalhas épicas e sangrentas! Além de ser capaz de arrancar boas risadas. 

A obra tem uma quantidade imensa de personagens, muitos se perdem no meio do caminho quando a morte chega no meio das batalhas, mas muitos são extremamente importantes para o desenrolar do enredo. 

Homero coloca o foco de Ilíada apenas no último ano de guerra, mas sempre dá um jeitinho de incluir acontecimentos dos anos anterior e posterior à cólera de Aquiles. Dessa forma, conseguimos nos integrar na narrativa e entender todo o contexto dos eventos do presente e também do futuro, mesmo quando Homero finaliza a obra bruscamente, sem termos a real narrativa do encerramento da guerra que durou 10 anos. 

O fim de “Ilíada” é uma das coisas mais bonitas que já li. Trás uma carga de valor ao personagem  Aquiles, que vê sua vida ir por água abaixo devido a escolhas erradas que fez, mas que arca com as consequências e honra sua breve vida. 

Não se assuste com a carga que essa obra possui, ela é simplesmente encantadora e vai fazer você devorar cada verso!

Canta, ó deusa, a cólera de Aquiles, o Pelida
(mortífera!, que tantas dores trouxe os Aqueus
e tantas almas valentes de heróis lançou no Hades,
ficando seus corpos como presa para cães e aves
de rapina, enquanto se cumpria a vontade de Zeus)
desde o momento em que primeiro se desentenderam
o Atrida, soberano dos homens, e o divino Aquiles.

 

Fiquei tão encantada com essa leitura que acabei fazendo uma pasta no Pinterest inspirada no livro. Para ver é só clicar AQUI. E também busquei muitos livros de apoio para conhecer os mitos gregos, entre eles deixo como dica “O Livro da Mitologia“, publicado pela globo livros e “O Livro de Ouro da Mitologia”, publicado pela Ediouro.

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Deixe uma resposta

4 × 5 =