RESENHA | DRÁCULA – BRAM STOKER

Resenha Drácula – Bram Stoker

”Drácula” possui uma narrativa com base em recortes de notícias, cartas e diários das personagens, o que no início eu tive um pouco de dificuldade para entender, acredito que por não saber nada sobre o livro, mas depois os recortes vão seguindo uma linha cronológica e tudo se torna fácil e instigante. O formato de romance polifônico facilita a imersão no enredo, nos fazendo sentir que somos parte do bando de cavalheiros que irá caçar o Conde Drácula – acredito que por estarmos a todo momento em contato com os diários das personagens, lendo suas intimidades – em meio às montanhas da Transilvânia.

 

 

Tudo se inicia quando Harker, um advogado inglês é enviado a uma consulta domiciliar à cidade de Bistrita, na Transilvânia. Durante seu caminho até o castelo do Conde Drácula, até então seu cliente, a todo momento Harker é recebido com sinais de superstições, além de coisas estranhas e sombrias acontecendo a sua volta. Na noite de sua chegada, Harker é recebido pelo Conde, que está interessado na compra de um imóvel em Londres. Harker ficará preso no castelo por 4 meses, e nesse tempo ele se dá conta de que seus dias estão contados pois está lidando com uma criatura da noite. Harker terá seu diário como maior companheiro e nele escreverá em detalhes tudo o que viu e passou no castelo, até seu último dia na estadia mais sombria de sua vida, e para saber o que acontece com ele é melhor ler o livro, rs.

 

Quero fazer um adendo para a representação feminina inserida no enredo. A minha personagem preferida no livro foi Mina Harker (esposa de Harker), e em meio a história toda nós temos um retrato da imagem da mulher no século XIX, sempre frágil e submissa, mas Mina se destaca e sempre é ela quem conduz os cavalheiros e fornece as melhores ideias. 

 

 

Para quem, assim como eu morre de medo de coisas pesadas de terror, esse livro é para você. O livro não vai lhe causar medo, em algumas cenas (em duas em especial) eu fiquei um tanto impressionada e tensa, mas nada que seja assustador (se bem que eu tive alguns sonhos pois sempre lia antes de dormir, rs daí a história ficava no meu inconsciente hahah). Ele tem uma boa carga de suspense, Bram Stoker sabe bem entreter o leitor e a todo momento ficamos na espera de encontrar com o vampiro mais famoso da cultural pop. Classifico esse livro como um ótimo romance vitoriano gótico com uma pitada de heroísmo e fantástico.

Sobre a tradução, comecei a ler esse livro pela edição da Landmark e tive muita dificuldade para me situar, estava bem confusa, então decidi mudar para a edição da Zahar (disponível no unlimited) e foi uma experiência muito melhor.

 

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Deixe uma resposta

7 + catorze =