RESENHA | CORTE DE ASAS E RUÍNA – SARAH J. MAAS

Essa trilogia superou todas as minhas expectativas!

Quando li o primeiro livro não imaginei a magnitude que a trilogia teria, tanto em mim quanto nos próprios livros mesmo. Não pensei que fosse sentir tantas coisas como senti. Eu esperava apenas mais uma história de fantasia para passar o tempo. Pobre Jéssica.

Se Rhysand era a Noite Triunfante, eu era a estrela que só brilhava graças a sua escuridão, a luz apenas visível por sua causa.”

A partir do final do primeiro livro eu fui fisgada por CADA página, cada diálogo e cada mísero detalhe. Sorri, sofri, senti raiva, me angustiei, torci e chorei, tive esperanças e suspirei. Nunca vou esquecer o turbilhão de sentimentos que tive com essas leituras, foi mágico!

Vejo você inteiro, Rhys. E não há uma só parte que eu não ame com tudo o que sou.”

Nesse desfecho eu fiquei com o coração quentinho, mas sofrendo ao mesmo tempo por saber que iria ser o último e que eu teria que me despedir desses personagens que são maravilhosos! Os personagens secundários ganharam demais meu coração e ainda não sei lidar com o fim da trilogia. Só digo uma coisa: ‘’Serei a primeira pessoa a comprar os spinoff e em pré-venda!’’ hahahah

Enfim, esse livro tem um quê de especial, é lindo, sensível e tocante apesar de toda a guerra acontecendo e toda a ação que possui. São tantas coisas acontecendo que você só quer devorar as páginas como se não houvesse o amanhã. E eu não mudaria nada nada, foi perfeito!

Desculpem a minha falta de profissionalismo mas eu não consigo colocar defeitos nesse livro. Sinto muito. ?

Mas, por meu lar, por Prynthia e pelo território humano e tantos outros.. Eu limparia minhas lâminas e lavaria o sangue da pele. E faria isso de novo, e de novo, e de novo.’’

Lá no Instagram do Contudo eu fiz um especial sobre Corte, contendo: Motivos para ler ACOTAR,  Resenhas, seleção de Quotes, Discussão e Tag,  super divertidos sobre esse mundo que tanto me apaixonei. Não deixe de conferir!

Compartilhe esse post

Deixe um comentário

vinte − 18 =