RESENHA | TODA LUZ QUE NÃO PODEMOS VER – ANTHONY DOERR

  • ISBN: 9788580576979
  • Autor: Anthony Doerr
  • Ano de Lançamento: 2015
  • Número de Páginas: 528
  • Gênero: Segunda Guerra / Drama / Ficção / Literatura Estrangeira
  • Editora: Intrinseca
  • Classificação:

    ★★★☆☆ (3,5)

  • Compre Aqui: Amazon
  • Sinopse: Marie-Laure vive em Paris, perto do Museu de História Natural, onde seu pai é o chaveiro responsável por cuidar de milhares de fechaduras. Quando a menina fica cega, aos seis anos, o pai constrói uma maquete em miniatura do bairro onde moram para que ela seja capaz de memorizar os caminhos. Na ocupação nazista em Paris, pai e filha fogem para a cidade de Saint-Malo e levam consigo o que talvez seja o mais valioso tesouro do museu.
    Em uma região de minas na Alemanha, o órfão Werner cresce com a irmã mais nova, encantado pelo rádio que certo dia encontram em uma pilha de lixo. Com a prática, acaba se tornando especialista no aparelho, talento que lhe vale uma vaga em uma escola nazista e, logo depois, uma missão especial: descobrir a fonte das transmissões de rádio responsáveis pela chegada dos Aliados na Normandia. Cada vez mais consciente dos custos humanos de seu trabalho, o rapaz é enviado então para Saint-Malo, onde seu caminho cruza o de Marie-Laure, enquanto ambos tentam sobreviver à Segunda Guerra Mundial.
    Uma história arrebatadora contada de forma fascinante. Com incrível habilidade para combinar lirismo e uma observação atenta dos horrores da guerra, o premiado autor Anthony Doerr constrói, em Toda luz que não podemos ver, um tocante romance sobre o que há além do mundo visível.

Acho que essa é uma das impressões mais difíceis que eu fiz. Estou apagando e reescrevendo isso a um bom tempo e o motivo é: me decepcionei com o livro.

O enredo é baseado na vida de duas crianças:

 

MARIE-LAURE, uma garotinha que aos 6 anos fica cega por uma doença genética, devido a isso seu pai constrói uma maquete baseada na cidade de Paris, para que ela possa se locomover. Esse gesto do pai dela é simplesmente lindo, mostrando que apesar de todos os problemas, nunca devemos deixar de lutar.

WERNER, um garoto orfão, vive com a irmã em um orfanato em Zollverein, localizado perto de uma mineração alemã. Werner é um garoto extremamente inteligente que anseia mudar de vida e não ir parar nessas minas, local em que perdeu o pai. Devido a sua inteligência, Werner aprende a consertar rádios antigos e dessa forma é notado e vai parar em uma escola de treinamento para fazer parte do exército alemão, e no caso dele, fazer parte de uma missão importante.

 

A vida dos dois, por infortúnios do destino acabam se cruzando na cidade de Saint-Malo – França. E dessa forma os dois são marcados por diversos acontecimento, mas agora vamos as minhas impressões.

Achei que foi colocado muita trama na estória, o que talvez tenha sido bem ruim pois várias coisas aconteciam, porém nada se desenrolava, deixando o livro bem maçante e lento. A narrativa foi sem emoção, apesar de poética, e eu não conseguia sentir nada pelas personagens, os sentimentos e anseios deles eu não reconhecia, sabe quando você não se conecta com as personagens? Foi tudo tão descritivo e informativo que o sentimento ficou de lado. Senti como se fosse um documentário de Guerra, conseguem imaginar? A linha do tempo é bem confusa também, muitas vezes me perdi. Talvez eu tenha esperado demais por só ter ouvido coisas boas sobre ele :/

O livro é um ótimo relato de Guerra, e só. Para mim faltou emoção, sentimento.

Jé Cerqueira
Criadora do Contudo & Entretanto, sempre navegando em águas misteriosas em busca do Pérola Negra e louca pelo Pequeno Príncipe.
Vai vai, Grifinória!!!

Deixe uma resposta